Dona Flor e Seus Dois Maridos (Dona Flor and Her Two Husbands) - Movie Reviews - Rotten Tomatoes

Dona Flor e Seus Dois Maridos (Dona Flor and Her Two Husbands) Reviews

Page 1 of 1
Super Reviewer
½ January 14, 2017
Even with a farcical charm of its own, this is a terribly unfunny comedy that suffers from a complete lack of wit and pacing, taking too long to establish its premise by spending a lot of time on an unnecessary flashback in its first hour that doesn't have much to offer.
½ June 26, 2015
Não há sol sem sombra nem Branco sem Preto, um excelente fime com base num melhor Romance de um enorme escritor Jorge Amado
February 4, 2013
If you want to see a completely novel, sexy, charming, and magical tale of love folklore - I highly recommend this movie. The music, setting and beautiful cast are intoxicating.
October 1, 2012
Well-known 1976 art-house film from Brazil. NOT made in 1951! RT is way off on that! A fairly attractive--but not gorgeous--woman has a handsome yet completely irresponsible loverboy type who unexpectedly dies. She is courted by and married by Mr. Responsible, a pharmacist. Her former husband/lover makes a supernatural comeback. So now she has both: The Bad Boy who really gets her hot in bed, and the financial and societal security of propriety. I suppose this doesn't have such appeal at present, since so very many women do exactly this: They have sex with the Bad Boy (when he's not in jail) but make the Responsible husband support her and Bad Boy's offspring. With the full enforcement of the legal authorities.
February 24, 2012
I remember this film from my tweenie years
Super Reviewer
October 4, 2011
Baseado na obra literária de Jorge Amado, Dona Flor e Seus Dois Maridos de Bruno Barreto é certamente a obra mais popular do cinema brasileiro até a retomada dos anos 90. Lançado em 1976, o filme atraiu aos cinemas nacionais mais de 12 milhões de espectadores (ainda o filme nacional mais assistido), tendo ainda uma vida posterior de sucesso nos cinemas internacionais (o filme fez de Sônia Braga uma estrela nos Estados Unidos). Talvez uma das principais chaves desse sucesso seja que Barreto soube ir ao encontro de um público ainda oprimido pela ditadura militar, necessitado de ver cores e sensualidade na tela, mesmo que a atual realidade fosse totalmente adversa. Ao contrário de filmes de cineastas como Glauber Rocha e Ruy Guerra, Dona Flor não exige maiores esforços intelectuais para ser apreciado. Era basicamente o filme que o público queria ver: uma obra descompromissada cuja maior função é o entretenimento, e ainda acompanhada de sensuais cenas de uma Sônia Braga em sua melhor forma.

O filme tem início no carnaval de 1943, onde Vadinho (José Wilker), um incorrigível mulherengo e apostador, morre repentinamente, deixando para trás Flor (Sônia Braga), sua desconsolada mulher. Apesar das escapadas diárias de Vadinho e das freqüentes discussões, Flor era uma esposa dedicada e apaixonada, sendo que o casal tinha uma vida feliz na cama. Sozinha, ela acaba se envolvendo e logo depois se casando com Teodoro Madureira (Mauro Mendonça), o farmacêutico da cidade. Flor encontra no novo companheiro o marido fiel que nunca encontrou em Vadinho, e passa a ter uma vida estável e aparentemente feliz, mas da qual ela logo se cansa. Flor sente mesmo falta é do prazer carnal e do relacionamento imprevisto que tinha com o antigo marido e, de tanto chamá-lo em pensamento, Vadinho um dia aparece nu em sua cama, sendo que apenas Flor pode vê-lo. A moça se sente então dividida entre os dois homens, não querendo trair aquele que lhe dá tanto amor e não querendo resistir ao que lhe dá prazer.

Como o enredo do filme já pode deixar claro, Dona Flor e Seus Dois Maridos é o que podemos chamar de um exemplo do cinema escapismo, não devendo ser necessariamente avaliado pela sua profundidade ou pela significância de sua história. É um filme produzido simplesmente com o intuito de divertir seu público, e este é um papel que a obra exerce bem. Dona Flor é protagonizado pela figura do adorável vagabundo, um sujeito que, apesar de seu caráter duvidoso e do como destrata a heroína, consegue ganhar a simpatia do espectador com seu infame "jeitinho brasileiro" de levar a vida. Flor, a personagem mais complexa da história, representa a boa moça que é recatada por fora, mas que arde em chamas por dentro. Ela quer a estabilidade de uma vida conjugal, mas também não consegue abrir mão dos prazeres da vida carnal. Flor precisa dos dois maridos para a completarem e, assim, satisfaz os dois pólos opostos de sua personalidade. As ótimas atuações contribuem imensamente com a caracterização dos personagens, com o trio de protagonistas sendo o maior destaque (e ao contrário de alguns dos filmes que faria depois, aqui Sônia Braga pode mostrar que seu trabalho não se resumia apenas a mostrar seu belo corpo).

O diretor Bruno Barreto mostra seu talento para contar histórias ao optar por escolhas narrativas que fogem do que poderia se tornar banal nas mãos de outro diretor. A morte de Vadinho, por exemplo, é mostrada logo no início do filme, e sua relação com Flor é vista através de um flashback. Criando uma expectativa crescente em relação ao personagem, antes da apresentação de Vadinho escutamos as divergentes opiniões em relação a ele das pessoas que o cercavam (em um início que lembra o prólogo de Lawrence da Arábia de David Lean). O filme apresenta uma de suas maiores falhas no terceiro ato quando, após algumas cenas com o ritmo mais lento, parece querer apressar a história para chegar logo a sua conclusão, o que acaba prejudicando o maior fio narrativo da obra (a relação de Flor e o fantasma). Vale notar que, apesar da fama adquirida por Dona Flor e Seus Dois Maridos por suas provocantes cenas de sexo, Barreto consegue equilibrar bem a linha entre a comédia e a pornochanchada, sabiamente escolhendo dar maior destaque ao humor do que ao sexo, contrariando a política do cinema brasileiro da época.

Uma polêmica que cercou o filme entre os cineastas da época foi seu elevado orçamento 5,5 milhões de cruzeiros, cerca de dez vezes mais que o orçamento padrão para um filme brasileiro da época. Enquanto muitos produtores não conseguiam a verba necessária para a produção de seus filmes, Bruno Barreto conseguiu do Estado o financiamento para fazer um filme milionário, algo que não foi bem aceito entre outros diretores brasileiros. O público, no entanto, certamente parece não ter se importado.
Super Reviewer
May 15, 2011
Ã"timo filme, um grande roteiro e uma boa direção
May 15, 2011
Revisiting this one for the first time in over thirty years,I have but this to say, as my pal McCabe would say: "Just two words: Sa Weet." Warm, erotic, tender, funny, economically told and truly acted. Who could ask for more?
May 15, 2011
Me encanta ... la magia, el costumbrismo ...
June 4, 2010
The music score alone is incredible. The story is a little far fetched, but it blends in with the culture of the time.
½ March 17, 2010
No está mal, pero no es nada muy especial tampoco. Su oda a la codependencia es particularmente desagradable. / It's not bad, but it's nothing special either. Its ode to codependency is particularly unpleasant.
½ June 11, 2009
I'm very disappointed. It's a Brazilian classic and it sucked. The plot wasn't bad, but it started to show so many obscenity and promiscuous behavior and language that it became a bad movie. However José Wilker did a great job.
May 9, 2009
It's from Jorge Amado's book. It's funny!
Super Reviewer
December 5, 2008
nominated for best foreign film at the golden globes
September 3, 2008
El final es alucinante.
August 5, 2008
Great movie! Impeccable adaptation from Jorge Amado's novel. Still they haven't come out with the DVD. Available only in VHS format.
½ May 30, 2008
Longo demais, podia ter uns 20 minutos a menos no mínimo.
Fora isso, mostra uma atuação boa de José Wilker, mas péssima da Sônia Braga.
Qualidade pouco boa, parece uma novela dos ano 70.
Detesto Jorge Amado, mas até que o filme ficou menos ruim do que eu esperava.
½ March 6, 2008
Nothing too fancy, nothing overly effective about its direction or story, but still an ok film. When the narrative seems to take a turn for the worse it seems to pick itself back up again for an intriguing (and cheesy) ending.
Page 1 of 1