The Hudsucker Proxy - Movie Reviews - Rotten Tomatoes

The Hudsucker Proxy Reviews

Page 3 of 109
January 5, 2014
Fun movie that is totally over the top... and super funny. Everyone should watch it at least once in their life.
½ December 28, 2013
Never thought I could dislike a Coen brothers film this much. What a crock of over-written, under-thought, way-too-long crap.
½ December 10, 2013
It's nowhere near as well-written, acted, or directed as the Coen's other efforts, but it's still a fun and humorous way to pass the time.
½ December 6, 2013
If there is a Coen Brothers film that deserves a re-evaluation, it's this one. Granted, there are some flaws, but you can't help but be entertained throughout this film.
½ December 5, 2013
The Coens' most easy-going film, this is criminally underrated. The production design is flawless, and the art-decco look is very stylish and fun. It's also wacky and untamed comedy in good old Coen style. Sit down with the family for this one; it's the only movie where you and your intelligent 8-year-old can enjoy some of Joel and Ethan's gleefully original humor.
December 1, 2013
Probably the Coens' least best, The Hudsucker Proxy is a film that bears a distinguished resemblance to its hero - both are imbeciles.
November 30, 2013
a jeering dream-like comedy another winner from the coen brothers
November 26, 2013
".....it's for kids ! "
November 17, 2013
My favorite Coen brothers film! I can watch it over and over, and - contrary to some other reviews - I think it does have heart. In fact, it's "metaphysical" aspects and magical realism are darn near transcendent. My only complaint is that the promotional illustration for the movie gives away a major plot point - and a classic gag. As for the critics' score, note the spread between the Tomatometer and Audience ratings. All I can say is : "Sure, sure!"
October 22, 2013
"The Hudsucker Proxy" has a wacky, surrealistic playfulness worthy of Tim Burton, a few good laughs and a decent cast (Charles Durning stands out and Coen regulars Steve Buscemi, Jon Polito and John Goodman all make cameo appearances). Still, underneath the surface lies a rather conventional story, paired with not-always-believable visual artistry, thus resulting in an enjoyable if minor fairytale.
August 11, 2013
strange, mesmerizing, and more strange.
August 9, 2013
«O Grande Salto» é uma pérola mais ou menos bem escondida na filmografia dos irmãos Coen. É um filme divertido, simples e com algumas cenas repletas de imaginação e de magia cinematográfica, como a dupla de realizadores/argumentistas nunca tinham feito antes, misturando uma( música grandiosa (e que me fez recordar os clássicos natalícios - ou pelo menos, a banda sonora de muitos deles - pelo seu tom quase "doce" e mágico) com uma história que envolve o passado e o futuro... ou talvez não. Pelo menos é a ideia que o monólogo inicial, proferido em voz-off por uma das personagens secundárias do filme (que acabará por ser, de uma maneira interessante, um dos pontos-chave da trama), nos pretende transmitir, tal como o slogan da Hundsucker Industries (a empresa onde se desenrola o filme), "O Futuro é Agora". Mas depois percebemos a pouco e pouco como «O Grande Salto» é um filme parvo. Um filme parvo que, em dadas alturas, atinge o nível do ridiculamente parvo. Mas que não deixa de ser encantador. O IMDb e a Wikipédia classifica esta comédia dentro do género dos filmes "screwball", que tendem a cair para as piadas mais simples e básicas e, na maior parte dos casos, sem graça. Só que esta obra é parva no bom sentido. A parvoíce de «O Grande Salto» está num nível, para mim, de qualidade como está o non-sense revolucionário dos Monty Python, e que tanto me faz rir. Não sendo um filme propriamente hilariante, «O Grande Salto» tem as emoções no sítio certo, provocando risos e sorrisos com uma história com algo de inteligência e, também, algo de vulgar - a estrutura é muito normal, e sabemos desde o princípio que (e espero que isto não seja nenhum spoiler...?) tudo vai acabar bem e adivinhamos, logo no primeiro momento em que a miúda do filme aparece, que o protagonista (Tim Robbins) vai ficar com ela. Mas esta simplicidade e normalidade é apenas um pretexto para os Coen fazerem um filme à la Coen, e que foi o primeiro projeto de maior orçamento feito pelos Irmãos. A narrativa vai buscar os moldes aos clássicos americanos, que contavam histórias com moral e que pretendiam ensinar alguma coisa aos espectadores. E a moral é simples: a felicidade não se compra, nem que tenhamos todo o dinheiro do mundo, e esse vil metal, na maior parte das vezes, só acaba por trazer aborrecimentos a quem tem de tratar dele em grandes quantidades (e sim, esta expressão pode ter vários sentidos e não estou a falar em desfalques nos bancos! Isto tem a ver mais com falcatruas económicas empresariais). «O Grande Salto» é um filme que, criticando e satirizando a burocracia e o mundo da economia e da gestão e apelando à simplicidade dos simples, torna-se uma boa proposta de verão, e também, de comédia inteligente e, ao mesmo tempo, com muita parvoíce, e que possui, ainda, um toque de humor em jeito de desenho animado.
«O Grande Salto» mostra uma estratégia de um grupo de empresários para manterem a Hudsucker após a morte (bizarra) do seu fundador. E Massburger (Paul Newman), um inescrupuloso homem de negócios, dá a ideia de colocarem um idiota como diretor dos destinos da empresa para este a arruinar e, assim, as ações da empresa poderem ser compradas a baixo preço após a ruína, evitando que a marca caia nas mãos de qualquer cidadão, intenções essas a do senhor Hudsucker. É assim que entra na história Norville Barnes (Robbins), um jovem à procura de trabalho que será o bode expiatório da Hudsucker, mas que, com as suas invenções (uma em particular - uma pista está no poster do filme), irá virar os planos dos empresários do avesso. Contudo, Norville acabará por não conseguir controlar a sua nova vida empresarial, e os resultados podem ser dramáticos. Aliás, a sua criatividade e a sua vida pessoal, tal como em tantos casos que a vida real nos mostrou, começam a ficar afetados pela cor do dinheiro... «O Grande Salto» é um caricato conto social que nos quer ensinar algo sobre a vida que está lá fora e de todos os perigos e idiotices que a circundam. O filme tem uma estrutura muito habitual em termos de forma mas é uma delícia de visionamento, principalmente quando a história ganha uns certos contornos mágicos e com o seu quê de encanto e de fantasia, culminando num final com muito de nonsense. Mas não se pode estar com expectativas para se ver uma comédia destas, e especialmente, quando é feita pelos Irmãos Coen (aliás, "expectativa" é uma palavra que pode destruir qualquer peça cultural e artística que existe ou está por vir ao Mundo). O espectador tem de se deixar levar pela simplicidade de «O Grande Salto» e pela simpatia e empatia que as personagens nos transmitem, apesar da caricatura constante que é feita com algumas personagens e situações. Não é o mais fascinante filme dos Coen, nem precisa de o ser para mostrar-se, aos nossos olhos, como um filme singular na carreira dos dois cineastas.
July 16, 2013
The Coen Brothers are brilliant and Tim Robbins was on fire in the mid 90's. There is a very short list of comedies that are more enjoyable than this one.
June 22, 2013
A surprising entry into the Coen Brothers catalogue, which, to my knowledge was one of their last partnerships on screen with Sam Raimi, seems to play up more of a Tim Burton tone particularly the art deco look of the first two Batman films and playing up the swinging 50's for big business and the underdog. Has a slight magical yet screwball tone which works very well but seems out of place with the rest of the Coens catalogue to date and since. The highlight for me still has to be Newman as the manipulative Vice President pulling the strings behind the scene. One of the lesser films fo r the Coens catalogue but a great one for anyone else.
June 16, 2013
Hilarious and fun to watch
May 24, 2013
Like Norville Barnes himself, the movie has some clever ideas but ultimately doesn't come together enough into a satisfying whole.
May 23, 2013
Tim Robbins is so FUCKING CUTE.

GOD.

And the Coens are geniuses.
May 23, 2013
not a masterpiece by any means but far from the coens worst. Robbins is wonderfully cast along with Leigh. the mishap is basically the concept was just to strange for mainstream audiences. if you enjoy a film with more depth and oddball characters you'll enjoy this film
½ April 26, 2013
C'est bien beau d'avoir des decors splendides, des effets speciaux incroyables et quelques scenes plutot reussies (comme celle du gamin avec le hula-hoop) mais si le scenario ne suit pas et que la mise en scene est outranciere jusqu'a l'irritation, le film n'est pas reussi. C'est le cas du Grand Saut, penible comedie, fruit de la collaboration entre Sam Raimi et les freres Coen, qui ont chacun fait beaucoup mieux de leur cote. Tres decevant.
½ April 6, 2013
Biting satire of greed and 30's lingo. Yeah yeah sure sure.
Page 3 of 109