Opening

100% John Wick Oct 24
No Score Yet Ouija Oct 24
No Score Yet 23 Blast Oct 24
56% Laggies Oct 24
54% White Bird in a Blizzard Oct 24

Top Box Office

79% Fury $23.7M
88% Gone Girl $17.5M
77% The Book of Life $17.0M
64% Alexander and the Terrible, Horrible, No Good, Very Bad Day $11.5M
8% The Best Of Me $10.0M
23% Dracula Untold $10.0M
47% The Judge $7.9M
31% Annabelle $7.9M
62% The Equalizer $5.4M
63% The Maze Runner $4.4M

Coming Soon

86% Goodbye to Language 3D Oct 29
48% Saw Oct 31
83% Nightcrawler Oct 31
56% Before I Go to Sleep Oct 31
50% Horns Oct 31

Dancer in the Dark (2000)

TOMATOMETER

Average Rating: 6.7/10
Reviews Counted: 115
Fresh: 78
Rotten: 37

Critics Consensus: Dancer in Dark can be grim, dull, and difficult to watch, but even so, it has a powerful and moving performance from Bjork and is something quite new and visionary.

Average Rating: 6.5/10
Reviews Counted: 29
Fresh: 20
Rotten: 9

Critics Consensus: Dancer in Dark can be grim, dull, and difficult to watch, but even so, it has a powerful and moving performance from Bjork and is something quite new and visionary.

AUDIENCE SCORE

Average Rating: 4.1/5
User Ratings: 56,831

Trailer


ADVERTISEMENT

Movie Info

Set in rural America in 1964, an immigrant and single mother who works at a factory takes refuge from her hardships by imagining herself and her co-workers in Hollywood musicals.

Rating:
R (for some violence)
Genre:
Musical & Performing Arts , Drama
Directed By:
Written By:
Lars von Trier
In Theaters:
On DVD:
Mar 20, 2001
Box Office:
$2.8M
Runtime:
Fine Line Features - Official Site


Cast


Related News & Features


Friend Ratings

No Friends? Inconceivable! Log in to see what your friends have to say.

Critic Reviews for Dancer in the Dark

All Critics (136) | Top Critics (37) | Fresh (78) | Rotten (37) | DVD (21)

At least Dancer in the Dark is bad in a complicated way.

Full Review… | March 19, 2002
Globe and Mail
Top Critic

Aims right for the heart and aces its target.

June 5, 2001
Rolling Stone
Top Critic

It smashes down the walls of habit that surround so many movies. It returns to the wellsprings. It is a bold, reckless gesture.

Full Review… | January 1, 2000
Chicago Sun-Times
Top Critic

Denmark's enfant terrible Lars von Trier finally won the Camme Palme d'Or for this postmodern deconstructive musical featuring a stunning performance by Bjork.

Full Review… | April 7, 2011
EmanuelLevy.Com

Habitually galling director Lars von Trier's musical is a black-swan genre rarity - a 1960s-set sledgehammer to Broadway and Hollywood's insistence on sunshiny endings in golden-era musicals about Nazis, murder and suicide.

Full Review… | September 25, 2010
Suite101.com

Everything about Bjork and Dancer in the Dark is enigmatic in an uncomfortable dissecting way that shows beauty in the crudest way, and crudeness in the complexity of advanced social mores.

Full Review… | October 26, 2009
ColeSmithey.com

It is not pleasing to watch, by any conceivable definition of that word.

Full Review… | September 12, 2007
Antagony & Ecstasy

Even without the musical numbers, von Trier has given us a compelling story with original characters.

Full Review… | July 29, 2007
eFilmCritic.com

I was devastated by it. What bothers me is this: It is the easiest thing in the world to do... move people by destroying something beautiful.

December 6, 2004
Looking Closer

Von Trier is vicious when it comes to milking the melodrama.

Full Review… | June 5, 2003
Combustible Celluloid

Though flawed, Dancer in the Dark is a worthy addition to the filmography of Mr. von Trier.

Full Review… | February 7, 2003
Cincinnati Enquirer

The songs are all written and performed flawlessly by Bjork. And not only can the pixie goddess sing and dance, she can also act.

Full Review… | December 8, 2002
Film Threat

The situations that writer-director Lars von Trier serves up here might be embarrassingly florid, but the coupling of his manipulative skills and Björk's showy intensity results in a movie with the force of an emotional bulldozer.

Full Review… | December 2, 2002
Sight and Sound

The turgid soap opera of a plot reveals little of the human truths [it] presumably wants to uncover.

Full Review… | August 12, 2002
Flipside Movie Emporium

...a calculated attack on conventional sentimentality and Hollywood illusion; the kind of movie that means to frustrate your expectations rather than affirm your assumptions.

Full Review… | July 31, 2002
Arkansas Democrat-Gazette

Director Lars von Trier's last film, "Breaking the Waves," dealt with a woman (Emily Watson) who thought she could talk to God. "Dancer" presents Selma as a naif who believes Heaven looks a lot like Hollywood.

Full Review… | June 15, 2002
Kalamazoo Gazette

A visionary and magical experience. This film is miraculous.

Full Review… | May 30, 2002
Film Experience

One critic has been quoted as describing Bjork's acting style as a re-invention of the art form. Another bit of hype that turned out to be true.

Full Review… | April 19, 2002
eFilmCritic.com

Ultimately, it's a tribute to the power of cinema.

Full Review… | March 5, 2002
MovieMartyr.com

The powerful, emotional music perfectly complements the dark, somber tone of the film.

Full Review… | September 20, 2001
Movie Habit

An uncomfortable but significant success.

Full Review… | July 24, 2001
Apollo Guide

Audience Reviews for Dancer in the Dark

½

It's like a Raymond Carver short story written by Ingmar Bergman, and directed occasionally by Baz Luhrman. Plus, it stars Bjork. Weird, wonderful slice of life story, a truly original film about characters on the margins trying to succeed on their own terms. Like nothing I've ever seen before.

More
danperry17
Daniel Perry

Super Reviewer

Its a different type of musical. Von Trier finds an all star cast from Bjork to Peter Stormare and creates a dark and depressing piece of cinema. The dead silence of some scenes are bleak but its the musical scores that helps carry the film.

More
paul o.
paul oh

Super Reviewer

½

A devastating, soul-crushing take on the justice system concerning a blind immigrant (Bjork), who gets by as a machine-worker by day and a theater performer by night, who is exploited by some people she is closest to in 1964 Washington. This film is a full mixed-bag, as director Lars von Trier occasionally gets too self-righteous in his damning of America and its inhabitants, but the film still succeeds largely to Bjork's moving, incredibly realized performance, as well as a final 20 minutes that packs a devastating, tear-filled blow to the heart. Kudos to von Trier for inserting the "musical" aspect to this film in very clever ways, which gives a much-needed boost of life and energy to a very depressing and downbeat film. Be warned though, the end will make you weep like a baby.

More
Dan Schultz
Dan Schultz

Super Reviewer

Selma (Björk) é uma jovem imigrante da Tchecoslováquia que se mudou para os Estados Unidos com o propósito de criar seu filho Gene (Vladica Kostic). Vivendo uma vida de pobreza, Selma trabalha em uma fábrica de esmaltados junto de sua melhor amiga Kathy (Catherine Deneuve) e vive em uma pequena casa alugada no quintal do policial Bill Houston (David Morse) e de sua esposa Linda (Cara Seymour). Desde pequena, Selma tem uma fascinação por musicais americanos, sendo que diversas vezes enquanto trabalha ela imagina fazer parte de um. No momento, ela se prepara para representar Maria em uma montagem de A Noviça Rebelde. Infelizmente para Selma, se torna cada vez mais difícil operar as máquinas da fábrica e ensaiar seus passos de dança, pois ela possui uma doença degenerativa hereditária que a torna graduadamente cega. Sua amiga Kathy é a única que sabe deste fato, e faz o possível para ajudá-la. Em um momento de fraqueza, seu vizinho Bill lhe confidencia que está falido e que não tem coragem de contá-lo à esposa. Selma então revela que têm economizado dinheiro durante anos para uma cirurgia que seu filho deve fazer para que não fique cego como ela.

Para aqueles que não assistiram ao filme, este é o máximo que se deve ler a respeito de seu enredo. Mas, apenas por tais pontos narrativos, não é difícil prever que Dançando no Escuro se trata de um dos grandes melodramas já colocados na tela. Este motivo pode ter afastado alguns espectadores mais cínicos, mas para aqueles que souberem abraçá-lo, o filme pode se tornar uma experiência difícil de ser esquecida. Para que isto ocorra, é necessário desde o início acreditar na história e no universo que Lars von Trier apresenta diante de seu espectador. Um mundo povoado por pessoas frias e traiçoeiras, onde situações trágicas são levadas ao extremo. Tendo em mente as intenções do diretor, é possível se deixar levar mais facilmente pela história da infeliz Selma, mesmo estando ciente das desavergonhadas tentativas de manipular o espectador.

Dançando no Escuro é carregado pela muito comentada atuação da cantora Björk, que devido aos seus desentendimentos com Trier e o cansaço gerado pela produção, jurou nunca mais aparecer em outro filme. Björk também escreveu as canções do filme, das quais ela interpreta todas. Apesar de não ser grande fã do estilo da cantora, não posso negar seu talento como atriz iniciante. Nas mãos de Lars von Trier, Björk acaba se tornando o maior instrumento utilizado pelo diretor para manipular a platéia, como se muitas vezes ele estivesse implorando para que esta se emocionasse. Não basta Selma ser cega, ter um filho fadado ao mesmo destino e não ter dinheiro nem para lhe comprar uma bicicleta no aniversário: ela tem que ser interpretada com uma inocência e pureza quase infantil, que às vezes nos levam a perguntar se seus problemas vão além da cegueira. Assim como a personagem Grace do superior Dogville, Selma se encontra em um mundo vil repleto de pessoas de caráter desprezível, com ela sendo a única totalmente inocente.

Um dos motivos dos filmes de Lars von Trier não serem tão recebidos em terras norte-americanas é seu explícito desgosto pela terra do tio Sam. Em Dançando no Escuro podemos ver isto com clareza: Selma é uma imigrante de alma pura que vai aos EUA a procura de oportunidades, mas tudo o que encontra é pobreza e hostilidade. Seus únicos amigos e as únicas pessoas que não a traem (interpretados por Catherine Deneuve e Peter Stormare) também são estrangeiros. Enquanto isso, o policial local interpretado por David Morse é o catalisador de suas desgraças, enfatizadas pela crueldade com que as autoridades americanas a tratam. É interessante que, o único momento em que vemos uma bandeira americana no filme (que, apesar de se passar no estado de Washington, foi filmado na Suécia) é após um evento que sinaliza o início da queda de Selma.

Lars von Trier foi um dos idealizadores do movimento Dogma95, e Dançando no Escuro nos possibilita ver em prática algumas das técnicas pregadas pelo diretor. Em uma decisão corajosa, Trier rodou o filme utilizando câmeras digitais manipuladas à mão, fazendo uso de uma paleta de cores arrastadas e iluminação natural. O tom melancólico é acentuado pelo discreto uso do som, a edição picotada e a oscilação da câmera. Quando Selma tem seus devaneios e vemos os números musicais como ocorrem em sua mente, o filme passa a utilizar planos geralmente estáticos onde as cores explodem na tela remetendo aos musicais em Technicolor da MGM filmados nos anos 40 e 50. Os números musicais também são inspirados nos clássicos da mesma época, com figurantes se unindo em grandes coreografias.

Vale notar que Dançando no Escuro foi lançado um ano antes do grande retorno dos musicais com Moulin Rouge. O diretor parece estar ciente de que muitos dos espectadores possam não estar preparados para o formato musical - tanto que, em um momento de auto-sátira, o personagem de Peter Stomare diz não entender o fascínio de Selma por musicais, pois as pessoas simplesmente saem dançando e cantando, algo que não acontece na vida real. Trier controla o "problema" encenando todos os números musicais na mente da personagem, artifício que seria repetido em Chicago. De fato, seria difícil acreditar que os interlúdios musicais de Björk fizessem parte do mesmo mundo sombrio e tenebroso do qual sua personagem vive. Um mundo que pode ser tão difícil para o espectador vivenciar quanto para os próprios personagens, mas que ao final se mostra uma experiência difícil de ser replicada - para o bem ou para o mal.

More
Matheus Carvalho
Matheus Carvalho

Super Reviewer

Dancer in the Dark Quotes


Selma:
I just wanted to hold a little baby.
– Submitted by Thiago N (2 years ago)
Selma:
In a musical, nothing dreadful ever happens.
– Submitted by Kate S (3 years ago)

Discussion Forum

Discuss Dancer in the Dark on our Movie forum!