Krisha Reviews

  • Aug 09, 2019

    A bit of a disappointing ending, but the rest of the movie makes up for it. Very good movie.

    A bit of a disappointing ending, but the rest of the movie makes up for it. Very good movie.

  • Jan 13, 2019

    Wtf is all i have to say. The most boring movie with zero actual plot, climax, or anything else that a movie entails. I'm now depressed that i wasted 83 minutes of my life staring at a screen of retardedness.

    Wtf is all i have to say. The most boring movie with zero actual plot, climax, or anything else that a movie entails. I'm now depressed that i wasted 83 minutes of my life staring at a screen of retardedness.

  • Nov 24, 2018

    The biggest disappointment in watching this film is knowing you will never get those 84 minutes of your life back. An incredible waste of time spent waiting for an ending that never happens. And while you're waiting there is nothing to see but a chain smoking alchoholic/drug addict who has nothing to say worth listening to. This movie is trash and if you make it part of your Thansgiving be prepared to have it ruined. It seems the director might take pleasure in that last comment because it appears that was his intent all along.

    The biggest disappointment in watching this film is knowing you will never get those 84 minutes of your life back. An incredible waste of time spent waiting for an ending that never happens. And while you're waiting there is nothing to see but a chain smoking alchoholic/drug addict who has nothing to say worth listening to. This movie is trash and if you make it part of your Thansgiving be prepared to have it ruined. It seems the director might take pleasure in that last comment because it appears that was his intent all along.

  • Nov 17, 2018

    Phenomenal. How did I miss this one for two years?? Loved the brother-in-law, he was hysterical. Incredibly sad too by the end.

    Phenomenal. How did I miss this one for two years?? Loved the brother-in-law, he was hysterical. Incredibly sad too by the end.

  • Nov 14, 2018

    A white dude with far less talent than most filmmakers makes a movie and because he has connects at a major film festival, the film gets way more attention than it deserves and wins a top award. The film premoeres and audiences are not impressed. Same story over and over again. This film is laughably amateur. The acting is poor, the lighting is ATROCIOUS, and the entire thing looks like it was a freshman project at a third rate film school. There is a reason this film has an audience rating much lower than the tomatometer. Just another horrible film that SXSW is trying to shove down our throats. We get it, the guy is from Texas. The film sucks!

    A white dude with far less talent than most filmmakers makes a movie and because he has connects at a major film festival, the film gets way more attention than it deserves and wins a top award. The film premoeres and audiences are not impressed. Same story over and over again. This film is laughably amateur. The acting is poor, the lighting is ATROCIOUS, and the entire thing looks like it was a freshman project at a third rate film school. There is a reason this film has an audience rating much lower than the tomatometer. Just another horrible film that SXSW is trying to shove down our throats. We get it, the guy is from Texas. The film sucks!

  • Oct 06, 2018

    There was a really nice love story between Chase and Logan building in the background. So sad Krisha's meltdown prevented me from seeing the rest of the story. I think that's the point.

    There was a really nice love story between Chase and Logan building in the background. So sad Krisha's meltdown prevented me from seeing the rest of the story. I think that's the point.

  • Jul 13, 2018

    "Krisha" is one of those movies that is more like an experience then a story. It centers on a family, Thanksgiving day, so as you can see is not really unexplored territory! But a very good direction from first timer Trey Edward Shults, and a powerful interpretation of his aunt Krisha Fairchild, make this an experience I was glad I had.

    "Krisha" is one of those movies that is more like an experience then a story. It centers on a family, Thanksgiving day, so as you can see is not really unexplored territory! But a very good direction from first timer Trey Edward Shults, and a powerful interpretation of his aunt Krisha Fairchild, make this an experience I was glad I had.

  • May 08, 2018

    really impressive directing

    really impressive directing

  • Jan 21, 2018

    well done. reminded me of my dad...if only I had the balls to confront him properly

    well done. reminded me of my dad...if only I had the balls to confront him properly

  • Nov 19, 2017

    Krisha é um daqueles filmes que se destaca pela sua genuinidade e ambição. É uma desavergonhada produção independente que faz muito com poucos recursos. Trey Edward Shults, estreante realizador, com apenas 14,260 dólares, fez o filme na casa dos seus pais durante apenas 9 dias, sendo a maioria dos atores seus familiares. O filme começa por introduzir Krisha (Krisha Fairchild), tia do jovem cineasta na vida real, que desempenha o papel de uma senhora separada há 10 anos da sua família. No Dia de Ação de Graças, é convidada para o jantar de família. Lentamente, percebemos que algo não está certo com ela. Existe uma sensação muito realista nesta peça, desde o cenário aos atores, passando pela falta de pós produção que o filme contém, tudo está em sintonia para que o drama que o realizador apela se faça sentir. Inicialmente, não sabemos exatamente o que se passa nesta família e até que ponto é que a nossa protagonista se vai, ou não, revelar uma personagem interessante e complexa. O desenrolar do filme vai contando a história de uma família comunicativa e, aparentemente feliz. A contrastar temos Krisha. Não que seja antipática ou desinteressada, mas conseguimos perceber, desde a primeira imagem, que a vida não lhe tem corrido como desejara. Tudo isto é suportado por uma excelente cinematografia que nos proporciona uma melhor análise das personagens e dos seus pensamentos. Ocasionalmente, os movimentos que Drew Daniels executa com a câmara têm um caráter experimental, o que não significa que não exista um propósito para esses movimentos, mas sim que se está a tentar demarcar, criando um estilo mais próprio, inspirado por veteranos do seu ramo. Existe aqui uma mensagem muito forte sobre a importância da família e a forma como as dependências e a falta de amor podem destruir por dentro e por fora a vida humana. Não devemos ignorar os problemas de cada um. Devemos de caminhar para fortalecer o meio familiar e incentivar a aproximação. A primeira organização da pessoa é a família e os valores das famílias irão refletir a sociedade de amanhã. Shults, além de realizar Krisha, também escreveu o argumento, representou, editou e ajudou na sua produção, sendo que onde esteve menos bem foi na sua atuação, pobre em identidade e carisma. De forma geral, é um trabalho impressionante de um realizador com olho apurado. Um contador de histórias a ter em conta no futuro. 7,5/10

    Krisha é um daqueles filmes que se destaca pela sua genuinidade e ambição. É uma desavergonhada produção independente que faz muito com poucos recursos. Trey Edward Shults, estreante realizador, com apenas 14,260 dólares, fez o filme na casa dos seus pais durante apenas 9 dias, sendo a maioria dos atores seus familiares. O filme começa por introduzir Krisha (Krisha Fairchild), tia do jovem cineasta na vida real, que desempenha o papel de uma senhora separada há 10 anos da sua família. No Dia de Ação de Graças, é convidada para o jantar de família. Lentamente, percebemos que algo não está certo com ela. Existe uma sensação muito realista nesta peça, desde o cenário aos atores, passando pela falta de pós produção que o filme contém, tudo está em sintonia para que o drama que o realizador apela se faça sentir. Inicialmente, não sabemos exatamente o que se passa nesta família e até que ponto é que a nossa protagonista se vai, ou não, revelar uma personagem interessante e complexa. O desenrolar do filme vai contando a história de uma família comunicativa e, aparentemente feliz. A contrastar temos Krisha. Não que seja antipática ou desinteressada, mas conseguimos perceber, desde a primeira imagem, que a vida não lhe tem corrido como desejara. Tudo isto é suportado por uma excelente cinematografia que nos proporciona uma melhor análise das personagens e dos seus pensamentos. Ocasionalmente, os movimentos que Drew Daniels executa com a câmara têm um caráter experimental, o que não significa que não exista um propósito para esses movimentos, mas sim que se está a tentar demarcar, criando um estilo mais próprio, inspirado por veteranos do seu ramo. Existe aqui uma mensagem muito forte sobre a importância da família e a forma como as dependências e a falta de amor podem destruir por dentro e por fora a vida humana. Não devemos ignorar os problemas de cada um. Devemos de caminhar para fortalecer o meio familiar e incentivar a aproximação. A primeira organização da pessoa é a família e os valores das famílias irão refletir a sociedade de amanhã. Shults, além de realizar Krisha, também escreveu o argumento, representou, editou e ajudou na sua produção, sendo que onde esteve menos bem foi na sua atuação, pobre em identidade e carisma. De forma geral, é um trabalho impressionante de um realizador com olho apurado. Um contador de histórias a ter em conta no futuro. 7,5/10